E quem diria?

Sensíveis estamos.
Ou somos.
Febris, perdidos, trêmulos.
Virose? Eu duvido.
Seres que jamais se abatem,
mas se batem,
tal qual um coração.
Ora rápido, sufocante,
ora lento, rascante.
E nessa,
de se ferir sem dó,

surge um devaneio,

um suspiro,

ao pé do ouvido,
que se perde.

E se confessa,
pra si.
E se declara,
pra ti.

Eu poderia ficar o dia inteiro só te olhando.
De cima a baixo, de cabo a rabo…
Só pelo prazer de te ter no meu olhar.

Olhar que é janela da alma,
lugar digno de te deixar.
Entrar,
ficar,
ser lar.

Seu lar.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s