Informalidade-realidade

Era uma vez uma conversa. E uma promessa.

Dois amigos, daqueles em que santo bate instantaneamente e que muito se vive em pouquíssimo tempo, conversavam. Papo foi, papo veio, projeto foi pensado, idealizado, tocado, e assunto mudado.

“Rapaz, algo que nunca vivi na minha vida tá acontecendo. Tenho várias mulheres ao meu redor. Várias possibilidades mesmo.”, disse o primeiro.

“Mas só toma cuidado com o seguinte: aproveita, se diverte, oportunidades não vêm assim à toa. E por isso te peço, encarecidamente para não quebrar, magoar o coração de ninguém.”

“Honestamente, amigo? Prefiro tratar como acaso. Não as vejo como nada além de ilusões e inspirações. Sabe, nem tenho muitas esperanças pra qualquer caminho que possa surgir, prefiro de fato me enganar, mentir pra mim mesmo, acreditar que é só má interpretação minha.”

Hoje, era uma vez uma conversa e uma promessa. Conversa através de texto, promessa espalhada pelo chão através de cacos, partida como um dos corações.

Anúncios

Um comentário sobre “Informalidade-realidade

  1. Poeta mente bem por mensagem de texto e voz no celular.
    Poeta se envolveu sem esperar ou perceber.
    Poeta me fez chorar.
    Por favor, poeta !!
    Me guarda no peito, porque eu posso ser uma saudade bonita.,,

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s